Deficiência de cálcio nos periquitos

Autor: Bob Wilson

Publicação: 09-03-2018

A falta de cálcio na dieta provoca mais problemas nos periquitos do que a falta de qualquer outro nutriente. A razão para isso é que muitas pessoas não reconhecem os sintomas de deficiência de cálcio nos seus pássaros.

O cálcio é fundamental para a formação dos ossos e ovos e é necessário para o adequado desenvolvimento do sistema nervoso e muscular.

Uma vez que a vitamina D está envolvida na digestão e absorção de cálcio, não é surpreendente que vejamos tantos problemas relacionados com este mineral, especialmente em situações onde os periquitos são mantidos em ambientes fechados e sem acesso à luz solar direta.

Muitos criadores pensam que o simples acesso a ossos de choco, conchas de ostras ou outras formas de grit, faz com que as suas aves não tenham problemas com a falta de cálcio. Eles estão errados! Na realidade, estes contêm grandes quantidades de carbonato de cálcio, mas este tipo de cálcio é muito difícil de absorver.

As aves selvagens obtêm o seu cálcio a partir de diferentes fontes minerais, como sementes verdes ou outros produtos vegetais que contêm cálcio em formas que são muito mais fáceis de absorver. Infelizmente, as sementes secas não são uma fonte muito rica em cálcio.

Produtos modernos de cálcio líquido, como o Calcivet produzido pela Vetafarm na Austrália, imitam esta abordagem natural. O cálcio já está dissolvido e está ligado a uma molécula que o intestino absorve naturalmente. Este produto também inclui vitamina D3, que é essencial para que o cálcio máximo seja absorvido.

Como esses produtos modernos têm uma boa biodisponibilidade, as quantidades de cálcio que o pássaro realmente absorve são muito menores do que a "dose diária recomendada", mas funcionam bem. Na verdade, a maneira mais eficaz de utilizar estes produtos passa por diminuir a frequência em que é dada às aves. Para a maioria das aves, uma vez por semana é o suficiente.

Sintomas

Os pássaros reprodutores tendem a mostrar os sintomas mais óbvios.

Um dos sinais mais óbvios de deficiência de cálcio é o aparecimento de ovos descascados, macios ou ovos com uma textura calcada. De acordo com cientistas aviários, uma fêmea tem cerca de 3 / 4 ovos de cálcio armazenados nos seus ossos. Então, para obter ninhadas maiores, é necessário um suplemento de boa qualidade. Pássaros altamente produtivos podem ver as suas ninhadas aumentar de 4 / 5 ovos para 7 / 9 sem stresse para a fêmea! Isso pode levar a um aumento dramático no número de crias saudáveis obtidas numa época de reprodução.

As fêmeas que estão com dificuldade em produzir as cascas dos seus ovos acabam por muitas vezes sofrer fenómenos de “ovo preso”. Isso ocorre quando os ossos não conseguiram fornecer cálcio suficiente para o ovo, tendo o corpo de o retirar de para que de outros órgãos. Quando os nervos e os músculos trabalham com baixo teor de cálcio, param de funcionar corretamente. As fêmeas com “ovo preso” não podem empurrar o ovo para fora. Eles tendem a mostrar outros sintomas de mau funcionamento do sistema nervoso e muscular também. Eles passam a não conseguir voar bem, apresentam asas caídas e penas emboladas.

Os remédios tradicionais para esta situação incluem o aumento do calor (bom), lubrificação do ventre (um desperdício de tempo e algo extremamente stressante para a ave) e sujeitar a ave aos vapores de água sobre uma chaleira com água a ferver (tortura absoluta). Dando um suplemento líquido de cálcio diretamente ao bico, que muitas vezes apresenta resultados quase imediatos, assume-se como uma das melhores soluções. Naturalmente, o uso de suplementos de cálcio já referenciados anteriormente faz com este tipo de situação de ovo preso diminua drasticamente.

Cria com as patas afastadas, sintoma

claro de falta de cácio

Um terceiro problema de falta de cálcio associado à reprodução são as chamadas “patas afastadas” e / ou raquitismo nas crias. A questão das patas afastadas está associada à falta de desenvolvimento do sistema nervoso e muscular, impedindo a cria de manter as pernas juntas sob o corpo. Não são as fêmeas que se sentam inadequadamente sob as crias! Corrigir esse problema requer a utilização de constantes talas e de fitas para manter as patas seguras e na posição adequada. Novamente, a prevenção é uma abordagem muito melhor!

Outro problema referenciado por alguns criadores que também é um sinal de deficiência de cálcio é o chamado “feather plucking”, onde os progenitores arrancam as penas dos próprios filhotes. Esta situação não se restringe apenas aos periquitos, mas também é comum em tentilhões, canários e papagaios.

Nas fases iniciais de aves que praticam feather plucking, a fêmea começará a arrancar as penas das costas e da barriga dos filhos, podendo estender-se para as asas. A fêmea mastiga a totalidade das penas arrancadas, pelo que é quase impossível encontra-las no fundo do ninho.

Às vezes, os rigores da criação e exigências de alimentação dos filhos levam a que a fêmea pare com essa situação. Caso contrário, as penas desaparecerão totalmente na zona das costas, cabeça e das asas. Enquanto as penas da cabeça e corpo geralmente regeneram, as penas tiradas das extremidades da asa não, deixando o pássaro inútil para o contexto de exposição. Infelizmente, em situações mais extremas, algumas fêmeas tornam-se agressivas podendo mesmo matar ou mutilar as suas crias.

Em aves não reprodutoras, também é possível diagnosticar problemas físicos e comportamentais. Como o cálcio está envolvido nas funções nervosas, a falta dele pode levar a sintomas nervosos. O medo e a agressão são alguns dos mais comuns.

Nas aves de estimação, essas questões comportamentais variam pela manifestação de sintomas de medo, mordidas e automutilação. Todos os pássaros afetados devem receber cálcio extra.

Outros sintomas de pássaros (em aves não reprodutoras) passam pela má coordenação de voo ou no poleiro. Casos extremos levam a ataques que muitas vezes são diagnosticados incorretamente como epilepsia. Os periquitos podem ainda ter dificuldade em sair do chão!

Quanto e com que frequência?

As fontes tradicionais de cálcio, como o osso de choco, casca de ostra e grit devem estar disponíveis ao longo de todo o ano. Estas são excelentes fontes de carbonato de cálcio, mas sendo este tipo de cálcio de difícil absorção, é importante fornecer o mineral de outras formas.

Existem muitos fatores diferentes que afetam a quantidade de cálcio suplementar que os pássaros podem precisar. Obviamente, as fêmeas em reprodução e as crias em desenvolvimento têm requisitos mais elevados. Diferentes alimentos têm diferentes níveis e capacidade de absorção de cálcio (todas as sementes são pobres). A água da torneira, dependendo da região do país, pode variar dramaticamente no seu conteúdo mineral. Se filtrar sua água, está a remover praticamente todo o cálcio suspenso que contém.

É importante perceber como o corpo gere os seus índices de cálcio. Os ossos têm o importante papel de controlar o nível de cálcio no sangue. Quando os níveis de cálcio no sangue aumentam, os ossos perdem concentração. Quando ele diminui, eles voltam a ficar mais densos. Isso parece simples, mas é realmente um processo bastante complexo que envolve a vitamina D e uma hormona denominada de paratireoide. Este processo funciona melhor se for bem exercido / repetido. Fornecendo o suplemento de cálcio alguns dias e outros não, asseguram que os ossos tenham muita prática neste trabalho e que, consequentemente respondam muito bem aos picos de exigência na postura dos ovos. Isso faz tudo parte do processo de prevenção de “ovos presos”.

Recomenda-se que dê o suplemento apenas uma vez por semana para aves não reprodutoras e duas vezes por semana em áreas onde a água seja mineralmente mais rica. Para os criadores 4 a 5 dias por semana. Pessoas em áreas onde a água seja mineralmente menos rica podem disponibilizar o suplemento entre 2 a 4 dias por semana.

Não há dúvida, na minha opinião, que a introdução de suplementos de cálcio líquidos altamente bio disponíveis foi a mais importante inovação de conservação de pássaros desde há décadas. Ela revolucionou a reprodução aumentando os tamanhos das ninhadas, mantendo a saúde das fêmeas para que possam produzir com segurança mais rondas a cada ano.

Produtos líquidos de cálcio que usei

Os produtos da Vetafarm Austrália e The Bird Care Company UK são fornecidos em diferentes tipos de embalagens e contêm Magnésio e Vitamina D3, o que é essencial para o processo de absorção.

Depois de usar um suplemento de cálcio por vários anos, não tive uma única fêmea isolada, ou uma fêmea que metesse um ovo de casca mole ou com textura irregular, ou até mesmo exibir sintomas de ovo preso e, o que é importante, o número médio de ovos por postura aumentou significativamente.

Nota do CPCPO:

Em Portugal os produtos da The Birdcare Company são distribuidos pelo nosso parceiro O Jardim da Bicharada.

Este site utiliza cookies com objetivo de melhorar a sua utilização. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização.