Fontes de Proteína

Autor: Bob Wilson

Publicação: 23-02-2018

É importante que os periquitos recebam muitas fontes de proteína. Os aminoácidos e as proteínas construídas a partir deles são necessárias para a produção de penas, ossos, hormonas, músculos e enzimas. A proteína é também utilizada como uma importante fonte de energia.

A semente é uma excelente fonte de proteína vegetal na alimentação das aves, que pode e deve ser complementada com a inserção de espinafres, brócolos, brotos de feijão, couve-flor, milho, amêndoas entre outros elementos.

Para maximizar o crescimento do corpo e das penas, as aves necessitam de consumir concentrações adequadas de proteína vegetal e animal.

A proteína animal pode ser incluída em alimentos macios sob a forma de ovos cozidos ou em pó, farinha de ossos, farinha de peixe ou até mesmo em flocos de camarão.

Existem outras excelentes fontes de proteína animal que podem ser adicionadas ao programa de alimentação das aves.

Blocos para picar destinados a aves de capoeira e de caça

A indústria de aves de capoeira e aves de caça investe uma fortuna na pesquisa para determinar os melhores alimentos para aves saudáveis e robustas.

Este tipo de blocos é presença frequente em aviários de alguns dos melhores criadores de periquitos a nível mundial. Existe uma grande variedade disponível, com diferentes ingredientes e conteúdo proteico (12% a 26%).

Os blocos destinados a aves de caça são os que por norma oferecem um maior que variedade de sementes e bi-produtos animais, fornecendo também um maior teor proteico (até 26% de proteína).

Os periquitos, especialmente as fêmeas, gostam de os roer e desgastar, escavando mesmo buracos e túneis, especialmente em alturas associadas à época de reprodução.

A ação de roer contribui para a aquisição da condição ideal de reprodução para as fêmeas.

Quando se utilizam estes blocos, por norma restam sempre muitos “restos”, pelo que pode surgir a dúvida se as aves realmente estão a digerir as quantidades pretendidas. No entanto, um efeito que permite aferir esse consumo passa pela quantidade de sementes consumidas. Caso os blocos estejam a ser consumidos a quantidade de sementes ingerida deverá diminuir consideravelmente.

Frango

Em meados da década de 70, criadores como o Eric Monks em Lower Hutt, Nova Zelândia, tinham por hábito disponibilizar uma carcaça de frango nas suas voadeiras. Isso dava lugar a verdadeiros frenesins de alimentação, apenas restando os ossos completamente limpos.

Oferecer uma galinha cozida às aves pode ser uma boa solução para o aumento dos seus índices proteicos.

Depois de uma refeição, o que sobrar da carcaça poderá ser dividido em pedaços e posteriormente cozidos em água durante 30 minutos, de forma a garantir que todas as partes se encontram adequadamente cozidas e secas.

No fim de arrefecidas, essas peças da carcaça podem então ser disponibilizadas nas voadeiras e / ou gaiolas de reprodução. Os periquitos conseguem digerir todas as partes da carne e até mesmo pequenos ossos, pelo que é provável que apenas sobrem os ossos grandes das pernas do frango.

Bicho da Farinha

Apesar do que se encontra escrito em alguns livros bem conhecidos, os periquitos adoram comer os bichos da farinha ou Tenébrios, assim que “apanham o gosto”.

Eu opto por adicionar larvas vivas nas voadeiras para a alimentação dos meus periquitos e larvas mortas secas nas gaiolas de reprodução.

Se não gostar da ideia de criar estas larvas, poderá encontra-las para venda na maioria das lojas de aves.

Os Bichos da Farinha são fáceis de crescer. Bastou adquirir 1.000 larvas para construir uma colónia que permite alimentar as suas minhas 2-3 vezes por semana.

A "colônia" reproduz-se num recipiente de plástico. Tudo o que precisa para o seu desenvolvimento passa pelo fornecimento a cada 2 dias de farelo de trigo ou de aveia e restos de vegetais. Pode também ser dado como alimento a estas larvas pepino em fatias, hastes de brócolos, talos de couve-flor, maçã ou qualquer outra fruta ou vegetal que tenha um interior "húmido".

Esteja ciente de que estas larvas possuem um ciclo de vida. A partir de larvas, sofrem metamorfose transformando-se em besouros, consequentemente pondo ovos até eventualmente morrerem.

Depois de morrerem, a colônia aparentará estar dormente até que os ovos comecem a eclodir. Não cometa o erro de deitar o resíduo pulverulento e o fundo do recipiente para o lixo, uma vez que estará a deitar fora milhares de ovos que eventualmente darão lugar a larvas de farinha.

Este site utiliza cookies com objetivo de melhorar a sua utilização. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização.